Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Começou o Advento

por Bruxa Mimi, em 30.11.14
... já decorámos a casa
... começámos a novena da Imaculada Conceição, como sugerida pela Teresa Power.
...

Se festejam esta época, como vão os vossos preparativos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

Uma questão de espaço

por Bruxa Mimi, em 30.11.14
A Varinha estava a ajudar o Feitiço a vestir as calças. Na altura de apertar o botão, estava a ter dificuldade:

Varinha: Encolhe a barriga! Põe a barriga para dentro! Encolhe!
Feitiço: Mas se encolher não dá para ter um bebé...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

Vassoura dixit

por Bruxa Mimi, em 30.11.14
A Vassoura já fala com tanta propriedade, que é delicioso quando inventa uma palavra! A última foi: "descuidoso"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

Podem confirmar:





Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

Apesar de pertencer a uma pessoa criativa, que tem ideias para posts enquanto faz as atividades mais corriqueiras do dia a dia (e que depois as esquece, ou não tem tempo para desenvolver as ditas ideias num post), este blogue alimenta-se, por vezes, do que encontra e lê noutros blogues.

Há alguns dias houve uma polémica no Pais de Quatro sobre beijar ou não as crianças na boca (num toca-e-foge - embora houvesse, nos comentários, quem referisse beijos diferentes destes). Não fiz lá nenhum comentário, que é o meu procedimento habitual quando a polémica é muita ("Retiro-me, que sou prudente.", para citar uma fala do pai da "Trigueira" no livro "As Pupilas do Senhor Reitor", que a minha professora de teatro encenou há muitos, muitos anos.).

Esse assunto deu origem a três posts e num deles (ou no primeiro post após esse assunto, já não me lembro) o João Miguel Tavares chamou a atenção para o facto de estarem no top dos posts mais comentados de sempre, no PdQ (o top inclui 5 posts).

Há dois dias o JMT publicou um "apelo aos professores por parte de um pai desesperado e farto de trabalhos manuais" e em menos de um fósforo esse post passou para o primeiro lugar do referido top dos mais comentados.

É fácil perceber porquê: é que sobre educação e ensino toda a gente tem algo a dizer, porque toda a gente é especialista.

A diferença é que desta vez eu também deixei alguns comentários... Não consegui resistir, aliás nem tentei resistir!

Não vou aqui dissertar sobre trabalhos de casa. [Escrevo que não vou, mas no fim do post logo se vê se dissertei ou não.]

Existem professores do 1º Ciclo que exageram nos trabalhos de casa que marcam, e esses que exageram, normalmente são os que os marcam de um dia para o outro. Acho também que há professores dos outros níveis de ensino que marcam trabalhos como se a sua disciplina fosse a única que os alunos tivessem. Não concordo com nenhuma destas posturas.

Há professores que nunca marcam trabalhos para casa. Nunca, mesmo. Não tenho nada contra esta forma de estar. Nada, mesmo. A razão é simples: a escola é o trabalho dos alunos, onde passam muitas horas por dia. Fora da escola, têm o direito de descansar, brincar, pensar noutras coisas.

[Quem me dera a mim, enquanto professora, poder dar-me ao luxo de não pensar no trabalho quando estou fora dele. Até quando estava para dar à luz - bem, não nesse preciso momento, mas quando estava em casa, a dias dele chegar -, dava por mim a pensar naquele aluno e naquela situação e..., e...]

Eu estou mais perto da segunda postura que referi do que da primeira. Não sou dos que nunca mandam trabalhos, mas mando poucas vezes. Em alguns anos, elaborei uma lista de atividades genéricas que podiam fazer em casa, como sugestões. Incentivei que trabalhassem em casa, valorizei quando o fizeram, mas não obriguei.

O que já experimentei, com a ausência de trabalhos de casa regulares, é a reação de alegria dos meus alunos (nem todos, vá) quando esporadicamente mando alguma coisa para fazer.

Os grandes defensores dos trabalhos de casa, em conversas e nos comentários ao post que referi, dizem que os TPC servem para estabelecer pontes entre a casa e a escola, que servem para treinar competências, para os alunos perceberem as suas dificuldades e as transmitirem aos professores, para os pais perceberem o que os filhos vão aprendendo (ou não!), e, sobretudo, para que os alunos se tornem responsáveis.

Concordo que fazer alguns exercícios em casa semelhantes aos que se fizeram nas aulas pode ajudar a interiorizar mecanismos. Bastarão dois ou três, não serão precisas páginas inteiras de exercícios!

Agora, dizer que é assim que o professor sabe se os alunos aprenderam ou não a matéria... é tanga (perdoai o vocábulo deselegante, sim?)! Então o que fazem na sala de aula não dá nenhuma pista? E como é que o professor sabe se a criança fez sozinha ou com ajuda (e que tipo de ajuda: uma orientação, ou um "escreve isto e aquilo, esta letra e aquela, este número e aquele")? Não sabe, especialmente se o trabalho estiver sem erros).

Quanto a tornarem os alunos responsáveis, em alguns casos acredito que ajude, mas não é "trigo limpo, farinha Amparo". Dar aos alunos um recado para darem aos pais também ajuda a desenvolver a responsabilidade. E consome muito menos tempo.

E acho que dissertei, mas não escrevi nem metade do que poderia escrever. O tema não se esgota assim tão depressa...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mastermind ou Código Secreto

por Bruxa Mimi, em 23.11.14
Lembro-me de haver em casa dos meus pais dois jogos de Mastermind, um grande e um pequeno. Lembro-me de jogar neles e de gostar de o fazer. Não foi por isso difícil decidir comprar um jogo com o nome "Código Secreto" que mais não é que um Mastermind com outro nome.

Há alguns dias os meus filhos descobriram o "Código Secreto" e quiseram jogar.

A Vassoura aprendeu a jogar da forma normal, embora sem "repetidas".

A Varinha aprendeu a jogar da forma mais fácil, isto é, colocando-se a pontuação na posição correspondente (por exemplo, se a segunda peça a contar da esquerda tem a cor certa, no sítio certo, coloca-se um pino que significa "cor certa, no sítio certo" no segundo espaço a contar da esquerda).

O Feitiço é muito mais eficiente. Depois de eu colocar quatro peças no "código secreto", pede-me para as ver, "para adivinhar mais depressa". :-))

O código secreto que temos é igual a este.
O nosso não está à venda. Este está, no OLX. Se estiverem interessados...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

De bestial a besta

por Bruxa Mimi, em 21.11.14
É assim que eu sinto (vale o que vale!) que uns encarregados de educação me avaliam.

Se detetam um problema (ou algo que na perspetiva deles é um problema) e esse problema é resolvido, porque é que continuam a falar dele, semanas depois?

Estou irritada, irritadiça e outras palavras da família de "irritação".

E amanhã a Vassoura faz anos. Não quero estar assim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

Digam-me se não tenho razão:

"É um marcador de livros."

"A profe[s]sora é linda. Assinado: Francisca
Profe[s]sora
Eu e a profe[s]sora"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

Uma boa notícia

por Bruxa Mimi, em 19.11.14
No primeiro post que escrevi em setembro, a prestar contas sobre a minha ausência blogosférica (is there such a word?), uma das razões foi "andámos a limpar uma casa para pôr à venda. Espero ter boas notícias para breve!"

Em pouco tempo surgiram interessados em alugar, depois alguns interessados em comprar, mas que faziam ofertas muito baixas (o valor que pedíamos já era muito abaixo do que foi pago em 2002) e depois surgiu um casal muito simpático que soube dar valor aos pontos fortes da casa! Sabem aquela postura de só apontar os defeitos para ver se o valor desce? Não foram assim. Nós de facto baixámos o valor, mas antes de eles porem qualquer defeito, pois foi através da mediadora imobilária (aliás, já estávamos mentalizados que iríamos ter de baixar, atendendo às circunstâncias sócio-económicas atuais).

Como dizia, o tal casal não foi assim: o que estava mal, estava mal, mas, nas palavras deles, "pior não há de ficar, é normal que uma casa se vá degradando com o tempo" e o que estava bem, ou os pontos fortes da casa (localização, quintal com anexo) foram honestamente verbalizados. Eu e o Rogério gostámos mesmo deles (acho que eles também simpatizaram connosco) e ficámos animados com a perspetiva de serem eles a comprar a casa (e animados também por não ficarmos com a casa por vender durante muito tempo, claro!).

 Há dois meses fizemos o contrato de promessa de compra e venda.

Hoje foi a escritura!

Próximo passo (com calma): tentar encontrar uma casa maior para nós...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

Parte de um diálogo entre mim e o Feitiço, esta noite.

Eu: És lindo. Eu amo-te.
Feitiço: Eu amo Jesus.
Eu: Que bom! Eu também amo Jesus!

E acreditem que me senti amada e nada negligenciada naquele "Eu amo Jesus" do Feitiço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas enfeitiçadas:

Pág. 1/3




Made by Vassoura



Comentários recentes