Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (13, 11, 10 e 2 anos).

Uma família de Caná?... Nós?!? #2

03.11.14 | Bruxa Mimi
Eis a continuação deste post, ou, por outras palavras, a reflexão nele "prometida".

Para começar, há que contextualizar. Retirei o texto que se segue do post "Família de Caná", do blogue amigo e de referência (para mim e para muita gente): "Uma Família Católica".

"FAMÍLIA DE CANÁ 


As Bodas de Caná

“Ao terceiro dia, celebrava-se uma boda em Caná da Galileia e a Mãe de Jesus estava lá. Jesus e os seus discípulos também foram convidados para a boda” (Jo 2, 1-2)
Não sabemos os nomes dos noivos que celebraram esta boda inesquecível em Caná da Galileia, mas sabemos que eram amigos de Jesus e de Maria. Talvez tivessem brincado com Jesus quando eram crianças ou frequentado a mesma sinagoga; talvez tivessem sido vizinhos. Não sabemos os seus nomes, porque hoje eles podem ser cada um de nós: somos Família de Caná sempre que convidamos Jesus e sua Mãe para a nossa festa!

Nossa Senhora Auxiliadora, Mãe de Caná

Nas Bodas de Caná, Maria antecipou a hora de Jesus; mas antecipou também a sua hora como Aquela que intercede por nós junto de Deus. A Mãe de Caná é assim, nos Evangelhos, a imagem mais perfeita da Senhora Auxiliadora dos cristãos.
As Famílias de Caná nasceram à sombra do Santuário de Nossa Senhora Auxiliadora, em Mogofores, e têm na Mãe de Caná a sua Rainha.

Famílias de Caná

Ser Família de Caná é um estilo de vida, uma forma particular de ser família na grande família da Igreja Católica.
A Família de Caná nasce das raízes hebraicas da fé cristã e cresce no jardim de Nossa Senhora. Como toda a árvore, conhece-se pelos frutos (cf. Mt 12, 33). O fruto distintivo da família cristã é o amor. Diziam os pagãos ao falarem dos primeiros cristãos, segundo Tertuliano: “Vede como eles se amam!” E assim deve continuar a ser hoje.

No Judaísmo, a fé vive-se e celebra-se primeiramente em família. “Eu e a minha família serviremos o Senhor” (Jos 24, 15) proclamou Josué ao chegar a Canaã. As Famílias de Caná querem ser Igrejas Domésticas, pequenos oásis de fé cristã verdadeiramente vivida e celebrada, onde educar seja desafiar para a santidade e crescer seja uma aventura rumo ao Céu.

As cinco pedrinhas de David

Como se faz isso? Propomos “cinco pedrinhas”, tantas quantas David recolheu no leito do rio para com elas vencer o gigante Golias (Cf  1Sam 17):

1 – Consagração a Nossa Senhora
A Família de Caná começa o dia com a sua consagração a Maria, nossa Mãe e Rainha.

Invocação
“Nossa Senhora Auxiliadora, Mãe de Caná, 
ensina-nos a fazer tudo o que Jesus nos disser!”

Consagração
“Nossa Senhora Auxiliadora, Mãe de Caná, 
Consagramos-te hoje e sempre a nossa família.
Confiamos na tua intercessão de mãe, 
Para que o vinho da fé, da esperança e do amor
Nunca acabe em nossa casa.
Faz de nós servos do Senhor, como tu, 
E ensina-nos a fazer 
Tudo o que Jesus nos disser.
Ámen!”

2 – Vida sacramental
A Família de Caná procura encontrar-se com Jesus através dos sacramentos: o matrimónio, fundador da família; o baptismo dos filhos; a eucaristia dominical e a adoração eucarística frequente; a confissão mensal; a unção dos doentes sempre que necessária.

3 – O canto de oração
A Família de Caná constrói em casa um lugar para a oração e aí se reúne uma vez por dia, em clima de alegria, simplicidade e disponibilidade para fazer o que Jesus disser.

4 – O Rosário e a Bíblia
Como na casa de Nazaré, a Família de Caná conta as histórias da Bíblia e medita nos mistérios da vida de Jesus, na companhia de Maria, para com Ela aprender a fazer o que Jesus disser.
O “Shemá”, aperfeiçoado por Jesus, marca o início e o fim de cada dia:

Shemá

“Escuta Israel
O Senhor nosso Deus é o único Senhor.
Amarás o Senhor com todo o teu coração
Com toda a tua alma e com todas as tuas forças
E amarás o próximo como a ti mesmo. 
Faz isto e serás feliz.
Ámen!” (Lc 10, 27-28)

5 – Visitação

Como Maria em casa de Isabel, em Nazaré, em Caná e em Jerusalém, a Família de Caná “visita” o seu próximo, servindo-o com amor e levando-lhe Jesus.

Compromisso

Ser Família de Caná é um compromisso familiar do cristão, sem qualquer acto público ou distintivo exterior. As Famílias de Caná devem procurar viver a sua fé nas paróquias onde vivem, estando disponíveis para fazer tudo o que Jesus disser.
Para as auxiliar nesta caminhada de santidade, ser-lhes-ão propostos retiros e encontros, e todos os primeiros sábados receberão via correio electrónico uma curta meditação."

REFLEXÃO...

Pensando nas Cinco Pedrinhas, vejo que:

1 - Na nossa família fazemos a consagração a Nossa Senhora (rezamos com outra oração) mas, em família, fazemo-lo apenas à noite, e não no arranque do dia. De manhã, só eu e o Rogério a rezamos.

2 - Nunca fizemos a adoração eucarística em família e, eu pelo menos, só a faço muito poucas vezes ao ano - longe, muito longe, de ser uma prática frequente. Confissão mensal? Nem por isso, embora a frequência tenha vindo - muito lentamente - a aumentar, ou seja, os intervalos entre confissões a diminuir (falo por mim). O Rogério sabe de si. Da Vassoura sei que se confessou duas vezes.
Isto tudo para dizer que não temos o hábito de nos organizarmos em família para irmos ao Sacramento da Reconciliação todos juntos. Acho que há aquela parte dos escrúpulos: "Então eu vou dizer a alguém que tem de se confessar? Vou marcar (impor) um dia para isso? Parece pouco ético, pouco cristão. Ao fazer isto não estou a julgar aquela pessoa - neste caso o(s) meu(s) familiar(es)?" Bem, para estas questões há uma resposta simples: "O justo peca sete vezes ao dia.", logo, todos pecamos... Marcar um dia é equivalente a mandar as crianças arrumar o quarto - se eu esperasse que elas se decidissem, mais valia esperar sentada!

3 - OK, esta já está! (Ver aqui.)

4 - Tentamos, eu e o Rogério, rezar o terço todos os dias (nem sempre o fazemos). Em família, só rezamos ao fim de semana.

5 - Não me parece que estejamos ao serviço, neste sentido. Ponto.

CONCLUSÃO...

Por estas razões, acho que a Teresa Power se precipitou, de facto. Nós (ainda) não somos uma Família de Caná. Mas somos talvez uma Família de Caná em construção...

Antes de eu publicar este post, a Teresa deixou comentários no post anterior, que decidi incluir neste:

Olha lá, Bruxa Mimi, quem arrasta pianos de 300kg por causa de um Canto de Oração, chama-se o quê?

e

pode-se ser Família de Caná e nem sequer o saber, como é o caso da Bruxa Mimi...

:-)

Mas ela também escreveu:

As Famílias de Caná (...) têm cinco pontos muito concretos de vida de fé, as Cinco Pedrinhas (...) 

... e é por isso que mantenho a minha conclusão. (Apesar de ter escrito que me rendia, Teresa!)

Para terminar este post que já vai muuuuito longo, volto a citar o post da Teresa, que na sua parte final inclui um convite:

"Quem quiser experimentar esta forma de ser Igreja poderá contactar a Família Power, enviando um e-mail para ntpower@sapo.pt, dirigido a Teresa Power e tendo como Assunto “Famílias de Caná”."

Uma família de Caná... Nós?!?

02.11.14 | Bruxa Mimi
Rogério: Só hoje descobri que a Teresa Power, lá no blogue, do lado direito, ...

Adivinhei o que viria a seguir:

Rogério: ... onde tem os blogues de outras Famílias de Caná, pôs o "Alheia"!
Eu: Ai, pôs? Não tinha reparado!
Rogério: Não tinhas visto?
Eu: Não! [e não tinha mesmo!]
Esta imagem é só para quem não foi lá ver...

Fiquei a pensar nisto... Poderemos nós considerar-nos uma Família de Caná? Não se terá a Teresa precipitado?

Noutro post refletirei mais sobre esta questão (resta saber quando conseguirei escrever o post).

Deslocar um piano...

02.11.14 | Bruxa Mimi
... não é tão fácil como possam pensar!

Precisámos de deslocar o piano alguns centímetros para a esquerda para termos espaço para o nosso canto de oração, como contei aqui.

À custa disto, até fizemos uma amolgadela na parede. Sabem, é que o piano  pesa 300 kg...

Para aliviar um pouco o peso (já depois de termos causado a amolgadela), retirámos duas tábuas do piano. Ficou assim, com as "entranhas" à mostra:


No fim, valeu a pena. E isso é que importa.

O nosso Canto de Oração

01.11.14 | Bruxa Mimi
Diria que o principal "canto de oração" é o "portátil" que todos temos: o nosso coração, mas um canto de oração físico pode ajudar a ter presente a oração em família, tal como a mesa de jantar ajuda a ter presente a refeição familiar (vários estômagos a dar horas também ajudam a lembrar, claro!).

Desde que vi alguns posts sobre os cantos de oração de algumas Famílias de Caná, fiquei a pensar que também deveríamos ter um, mas não foi fácil concretizar. Um passo importante foi irmos ao Retiro das Famílias de Caná, porque ficámos - eu e o Rogério - a pensar em como poderíamos fazer para ter um Canto de oração.

O Rogério lembrou-se que havia um oratório na casa que era dos avós paternos. Confesso que um oratório não era bem o que eu tinha pensado, porque associava um oratório a pessoas idosas. Preconceito estúpido, certamente. Um oratório convida a orar, tal como o nome indica - então pode convidar pessoas de qualquer idade! Mas não disse que não a essa sugestão, já que não descortinava outra melhor, especialmente em termos de espaço (na verdade, lembrei-me de uma hipótese, mas era radical e não foi aprovada pelo Rogério).

Há duas semanas o pai do Gato trouxe o oratório, para vermos se nos interessava ou não. Decidimos aceitar a oferta, mas não quisemos as imagens que antes lá estavam. Cá em casa já tínhamos com que ocupar o oratório.

Surgiu um problema: onde colocar o oratório. Em cima da cómoda do nosso quarto ficaria altíssimo para as crianças. Decidimos que ficaria na sala, ao lado do piano, mas onde? No chão não era boa ideia!

Na semana passada o pai do Rogério foi novamente o fornecedor da solução: uma mesinha de cabeceira (acho) que (segundo percebi) era precisamente onde estava (ou tinha estado em tempos) o oratório em casa dos avós do Rogério.

Para o oratório não ficar à frente da porta da sala (da porta que normalmente está fechada, já que temos porta dupla), tivemos de empurrar o piano para a esquerda (depois conto noutro post).

Com o oratório (estrutura) no sítio que queríamos, faltava preencher o interior. Tínhamos bastante por onde escolher, mas também algumas limitações: os suportes não são muito grandes e quando nos apoiamos no oratório, ele abana um pouco (não nos põe em perigo, mas poderia pôr em perigo alguma imagem em material frágil, se caísse ao chão - e nós temos em casa um Feitiço, sabem?). Por isso, as escolhas foram as que se podem ver na fotografia:

A Sagrada Família foi feita em JumpingClay.

O oratório tem uma gaveta por baixo onde colocámos os nossos terços.

A mesa tem uma prateleira e uma gaveta. Na prateleira colocámos alguns dos livros para crianças que estão relacionados com histórias da Bíblia ou com a oração. Também lá estão os livros "Os Mistérios da Fé" (volumes 1 e 2 - ainda não temos o nº 3).


O resultado final foi este:


Esteticamente, este conjunto não tem nada a ver com a mobília da sala, mas como está ao lado do piano, que também é escuro, não fica mal. A JumpingClay dá um toque juvenil e um bocadinho de cor ao nosso Canto de Oração, que já foi onde rezámos durante a semana que passou.

Faz hoje dez anos...

01.11.14 | Bruxa Mimi
... que eu e o Rogério começámos a namorar. Espero que nunca acabemos!

Ontem ao almoço comentei este facto. Respondeu uma colega:

- Então mas não passaste a festejar o outro dia [o do casamento]? Ou festejas os dois?

Eu: Quem é que falou em festejar? Eu só disse que amanhã faz 10 anos que começámos a namorar...

Mas a vocês digo-vos como é que vamos "festejar": como noutro sábado em que tenho muito trabalho para fazer (quantos mais posts publico, mais trabalho estou a adiar), com a diferença que, por ser Dia de Todos os Santos, vamos à Missa.

Sou uma sortuda!...

01.11.14 | Bruxa Mimi
Estava eu a ler um texto no jornal i, sugerido pela Teresa Power neste post sobre planeamento familiar, quando me aparece esta fantástica oportunidade de ganhar "um mini ou até 20.000 euros".


Já ontem na minha escola fui a visitante 1 milhão quando entrei num computador muito dado a "dar prémios" (digo que é o computador porque estava na página do meu agrupamento de escolas e quando estou nessa página, em casa, ou noutro computador da escola, não tenho tantas "ofertas").

Digam lá que não sou sortuda...

Detesto estas caixas irritantes! (Na imagem está tudo parado, claro, mas toda a gente sabe que este tipo de caixa pisca sem parar, além de que carregar em "fechar" ou em "OK" / "Clique aqui" tem exatamente o mesmo efeito - que é ir parar à "página-mãe".)

Pág. 3/3