Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (12, 11, 9 e 2 anos).

Um almoço, um post e uma revelação inesperada!

29.04.15 | Bruxa Mimi
Escrevi sobre o almoço de família felina do passado domingo. O que eu só soube através de um comentário a esse post foi que uma prima felina era leitora do "Alheia"!

Ora leiam lá o comentário e digam se não é surpreendente: 

"Olá prima, vou ao teu blog de vez em quando e descobri que pertenço aos felinos. Que divertido! Como o mundo é pequeno. Fiquei com pena de não termos falado no Domingo. Sou neta do irmão mais velho da avó Gata. Sou a filha do meio da 2a filha deste. Vê no powerpoint que o gato Rogério fez e adivinha quem sou. Um grande beijinho"

Ainda não pude ver o PowerPoint, mas curiosidade não me falta, garanto! :-)

Por mais que digam

28.04.15 | Bruxa Mimi
que a vossa mãe é a melhor do mundo (fartei-me de ler textos de crianças que diziam isso e há por aí muitos adultos a declarar o mesmo, quando só sete, contando comigo, o podem dizer), não é verdade:
a minha mãe é que é a melhor do mundo, do infinito e mais além!

Eu sei que hoje não é o Dia da Mãe, mas declarações de amor fazem-se sem dias marcados!...

Durante o caminho

28.04.15 | Bruxa Mimi
para o almoço de família (referido aqui), o clima não estava famoso: muitas nuvens, e bastante escuras, daquelas a prometer chuva. De vez em quando, um pedaço de céu azul. Dei por mim a pensar que também a (minha) vida tem destas nuvens pesadas, que ameaçam desabar a qualquer momento (e às vezes desabam mesmo!), mas que convém reparar nas partes de céu limpo e agradecer a Quem permite as nuvens, a chuva e o sol...

Nós, Jesus, aguentamos todas as mudanças climáticas!

É assim tão difícil...

28.04.15 | Bruxa Mimi
... identificar os casacos e chapéus  que as crianças levam para a escola?

Eu também sou mãe, também me esqueço às vezes, mas depois não vou "cobrar" o "desaparecimento" de uma peça de roupa ou acessório nestas condições. Porque, na verdade, quando um casaco ou o que for não está identificado, bem pode ser encontrado e pendurado à vista de todos, que a criança vai continuar a dizer em casa que não o encontrou (esquece-se é de dizer que não procurou em todos os cabides!).

Quando a etiqueta tem o nome e, de preferência, também indica a sala da criança, qualquer funcionária que encontre a peça perdida a faz chegar ao(à) proprietário(a).

Não resolve quando as intenções de quem encontra não são retas, mas facilita muito quando são!

Almoço de família

26.04.15 | Bruxa Mimi
A Avó Gata é a mais nova de dez irmãos (e a única viva, com quase 88 anos). Ter muitos irmãos levou a que tivesse muitos sobrinhos (o primeiro quando tinha cinco anos), primos do Rogério e do Tio Gato. O Rogério é o mais novo de 25 primos direitos. Muitos deles já são avós e talvez até bisavós (não tenho certeza).

Hoje houve um encontro da família felina do lado materno, na terra onde cresceu a Avó Gata. Visitámos a casa dos avós do Rogério (que agora é de uns dos seus primos), participámos numa Eucaristia na capela da aldeia, por marcação!, e terminámos com um almoço num restaurante agradável. Éramos à roda de cem pessoas (não estava toda a gente!).

Alguns primos eu já identificava bastante bem (por termos estado juntos noutras ocasiões), de outros recordava a cara por terem estado presentes no dia em que eu e o Rogério casámos, e outros eram-me totalmente estranhos, mas todos eram simpáticos.

Depois de regressarmos a casa, o Rogério perguntou-me, ou melhor, disse-me que esperava que não tivesse sido uma grande seca para mim. Respondi-lhe que não havia razão para ter sido. (Depois pensei que a pergunta se calhar era derivada de para o Rogério ser uma seca quando está presente na confusão da família de bruxos, isto é, na confusão do meu lado da família...)

Pág. 1/7