Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (12, 11, 9 e 2 anos).

Testes... como eu "gosto" de vocês!

28.05.16 | Bruxa Mimi
São três conjuntos: um está corrigido e cotado; outro está corrigido, mas tem apenas dois testes totalmente cotados; o outro os alunos ainda não fizeram.

Agora vou para a cama (o terceiro teste do segundo conjunto estava difícil de cotar na parte final devido ao Sr. Sono mais do que à D. Preguiça), mas espero conseguir despachar os que faltam amanhã, para, na 2ª feira, poder dedicar-me aos testes do terceiro conjunto!

Já só faltam 4...

24.05.16 | Bruxa Mimi
Não, ainda não são só 4 dias que faltam para acabarem as aulas... (São 11, são 11!)

Já só faltam 4 dos meus seis irmãos serem seguidores do blogue. Os extremos etários são os que estão: a Mafalda (aka as Alienus) e a Matilde.

Como eu sei que a Matilde (ou Fada Matilde, como ela agora se identifica) gosta de ler coisas sobre a sua pessoa, aqui está um post a dar conta da sua presença no círculo restrito de membros do Alheia a tudo... ou talvez não! :-)

"A audição é o primeiro sentido a ir"...

15.05.16 | Bruxa Mimi
... dizem. E eu não sou exceção, a avaliar pelo que se passou no outro dia.

Era noite e as crianças estavam na cama, mas tinham ido mais tarde do que o habitual. Depois das boas-noites e de cantar o Vitinho no quarto das meninas, fui ao quarto do Feitiço. Aproximei-me e perguntei:

- O que queres que cante?
Feitiço: Estou cansado.
Eu: É normal, já é muito tarde. Deus te abençoe. Até amanhã, boa noite, dorme bem.

Saí do quarto.

Após ter dado uns passos...

Feitiço: MAMÃÃÃÃÃ! Não cantaste...

Voltei ao quarto.

Eu: Disseste que estavas cansado...
Feitiço: Não, eu disse: "Quero o Sapo."

Lá cantei a canção do Sapo, ficando a pensar que a minha audição já (ou)viu melhores dias!

Tratamento e pós-tratamento

11.05.16 | Bruxa Mimi
Há duas semanas (e um dia, que comecei a escrever este post ontem!) tive consulta com a ginecologista por causa da ferida no colo do útero.

Ela disse que havia a hipótese de ter ficado tudo bem com a biópsia, que por vezes isso acontecia. Fez a "investigação". O problema ainda lá estava.

Perguntei-lhe o que é que as pacientes costumavam dizer do tratamento, se diziam que picava, que ardia, ... Respondeu que diziam que dava uma sensação de picar.

Começou o tratamento, que não demorou mais de dois minutos e que foi perfeitamente suportável - com a ajuda de umas Avé Marias rezadas interiormente!

Não foi a primeira vez que rezei para me concentrar noutra coisa que não as dores (que não eram muitas, de resto, era mesmo uma sensação de picadas desconfortáveis) - no dentista é a estratégia que uso sempre! :-)

No fim, a médica perguntou-me se estava enjoada. Respondi:

- É suposto?

Médica: Não, mas às vezes o lado psicológico...

Eu: Ah, não, eu estou bem.

A seguir estivemos a conversar um bocado sobre a família, o Rogério, os miúdos, as aulas, enfim, o que surgiu. Acho que a conversa é uma forma de a médica se certificar que as pacientes estão realmente bem (na verdade, conversamos sempre, mesmo sem tratamento).

Já não sei em que altura, após o tratamento, a médica avisou-me que seria normal ter um corrimento amarelado, por causa do processo de cicatrização. Não me falou em número de dias, e eu não me lembrei de perguntar. Na minha cabeça, pensei que teria corrimento nesse dia e provavelmente no dia a seguir.

O tal corrimento amarelo não falhou, e eu percebi que teria que colocar um penso higiénico como se estivesse com o período.

Os dias foram passando... e o corrimento continuava (e com um odor muito desagradável, acrescento!). Ao fim de uma semana, o corrimento começou a mudar de cor, fazendo lembrar a cor daqueles dias do mês em que o fluxo não é abundante - tipo cor de salmão, não sei se estão a ver (quer dizer, eu tenho dias desses, quem tem um período que vem e vai em 3 ou 4 dias se calhar não tem!).

Na sexta-feira passada, como o corrimento continuava, telefonei para o consultório. A médica não estava. Durante o fim de semana não a quis incomodar pelo telemóvel. Ontem voltei a ligar para o consultório - deu impedido, e não voltei a tentar.

O corrimento continua...

Pág. 1/2