Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (13, 11, 10 e 2 anos).

Desafio da mala (by Olívia)

18.10.16 | Bruxa Mimi
A Olívia lançou o desafio (a nós, senhoras) de tirarmos uma fotografia à nossa mala, sem filtros, nem arrumações, e publicarmos o resultado, listando os objetos que lá encontrarmos.

Eis a minha mala:
Dentro da mala.

Fora da mala.
Objetos:

  • um bloco
  • um pacote de lenços de papel (dentro da bolsa das flores)
  • duas esferográficas
  • um pacote de açúcar
  • três moedas (uma de 1€ e duas de cêntimos, não sei de que valor)
  • um gancho
  • duas molas de cabelo
  • um pacote de leite com chocolate
  • uma palhinha perdida
  • um pacote de bolachas Maria
  • um pacote de bolachas de água e sal
  • (não fotografei, mas no bolso interior da mala tenho sempre um par de cuecas)
Coloquei a comida na mala no sábado de manhã, antes de sair para uma formação, mas havia um bar no local e optei por comer uma sanduíche e beber um leite de garrafa em vez de consumir o que levara. Como sou muito arrumadinha, o que lá coloquei, lá ficou...

Talvez tenham reparado na ausência de carteira, telemóvel, chaves...

É que durante os dias de aulas eu não ando de mala, ando de mochila! Além disso, assim que começo a vestir casacos mais grossos, com bolsos maiores e com fecho (os bolsos), as chaves e o telemóvel (pelo menos) passam para lá.

Galeria de arte

14.10.16 | Bruxa Mimi
O Feitiço produz desenhos a uma velocidade espantosa (ou normalíssima, não sei!). E eu acho que cada vez estão mais giros. É claro que eu fico babada porque ele é meu filho, mas não acredito que os caros leitores não achem giros os seguintes desenhos que apresento e que vão estrear uma nova etiqueta no blogue: "Galeria de arte" (onde também poderão estar obras da Vassoura e da Varinha, obviamente).


O Feitiço não gostou que dissesse que este desenho estava giro,
preferia que dissesse que estava parecido [com a realidade].

Dinossauros.

Dinossauros.

Dinossauros.

Dinossauro.

Há muitos outros desenhos guardados pela casa, mas neste momento apenas um gostava de encontrar e fotografar (pensava que já o tinha feito, mas, pelo vistos, não o fiz). É o desenho de uma praia. Quando o reencontrar, fotografo e publico, fica prometido.


*********

Depois de publicar, olhei para os dinossauros e pensei que os desenhos não estão assim tão giros... A razão de os admirar prende-se mais com a minha incapacidade de desenhar este tipo de dinossauros (um dia destes faço um desenho de dinossauro para perceberem o que quero dizer).

Sonhos #59

13.10.16 | Bruxa Mimi
É só para dizer que sonhei, há algumas noites, que o bebé era um rapaz.

Fica registado, para ver se o sonho foi certeiro como aquele em que sonhei com o nascimento da Varinha, antes de saber que estava grávida... Dessa vez até com o nome sonhei!

Por outro lado, já sonhei imensas vezes - mas antes de estar grávida, por isso não é a mesma coisa - que tinha mais princesas..., quer dizer, objetos mágicos no feminino! ;-)

A Uber, os Smartphones e eu

12.10.16 | Bruxa Mimi
Ontem à noite, tive com o Rogério o diálogo seguinte:

Rogério: A propósito do post que escreveste hoje... o teu telemóvel é um Smartphone!

Eu: É?

Rogério: Sim, se quiseres podes instalar a aplicação da Uber... as que quiseres! Bem, mas depois só as podes utilizar cá em casa ou onde tiveres acesso a Wifi.

Eu: Eu pensava que os Smartphones tinham Internet incluída...

Rogério: Não, são coisas diferentes.

********

Conclusões:

1 - Eu não percebo nada destas tecnologias;

2 - Afinal talvez possa vir a utilizar carros da Uber, ...

3 - ... se houver acesso à Internet no próprio carro! [isso existe?]

Sonhos #58

11.10.16 | Bruxa Mimi
Na noite passada sonhei que estava num hospital, a tentar arranjar uma consulta. Não havia consultórios, era uma confusão pegada. Quando finalmente uma médica (que eu supostamente conhecia) se senta ao meu lado ou à minha frente, nem sei, pergunta-me:

Médica: O que a traz por cá?

Eu: Estou grávida.

Assim que respondo, olho para quem me acompanhava e tapo a boca com a mão. A pessoa, que era a Vassoura, arregala os olhos e pergunta-me:

Vassoura: Estás grávida???

Eu: Sim, mas não era para saberes ainda! É que tu já és crescida, mas não podes dizer aos manos, OK?

Depois acordei, provavelmente porque me estava a sentir estúpida por ter deixado escapar a informação, sem pensar.

Eu não gosto de me meter em confusões

11.10.16 | Bruxa Mimi
Mas ainda assim vou falar de táxis e afins.

Raramente ando de táxi. Muito, muito raramente. Até hoje, este ano andei cinco vezes de táxi, se não me engano (mais do que pensava!). Nas duas primeiras vezes partilhei o táxi (ida e volta) com colegas, entre a sede do agrupamento de escolas (saímos de uma reunião) e a igreja onde decorria a Missa por alma de uma familiar de uma outra colega. Na terceira e quarta vezes partilhei o táxi novamente com colegas, para ir e regressar ao local de uma formação. Na quinta vez não partilhei o táxi e utilizei-o para conseguir chegar a horas à celebração do casamento de uma jovem que conheço desde que nasceu. Depois de uma reunião de manhã que se prolongou até mais que horas de almoço, se tivesse ido de transportes coletivos não teria chegado a horas.

Quando ando de táxi sozinha, a partir de casa, peço um táxi pelo telefone e anoto o número da viatura que me é indicado. Desço (moro num prédio) à hora combinada e, quando um táxi se aproxima, verifico se tem o número que foi indicado, para que não haja um "chico-esperto" a aproveitar-se da viagem de outro. Foi um motorista de táxi que me disse que fazia muito bem em confirmar o número, por aquela razão. Assim, qualquer coisa que se passasse teria forma de identificar o automóvel e consequentemente o motorista que prestara o serviço.

Quando fui ao tal casamento, telefonei a pedir um táxi e, depois de me darem o número do táxi, disseram-me que podia ir para a porta, que ele "já ia". Desci e, realmente, apareceu um táxi, mas, quando me aproximei, vi que o número não correspondia. Devo ter feito uma cara desconfiada, pois o motorista reagiu perguntando-me se era a Mimi. Eu disse que sim e entrei no carro, admirada, e falei na questão do número. O motorista disse-me que podia acontecer não aparecer a viatura indicada, se o motorista da dita cuja estivesse, por exemplo, fora do carro e não ouvisse a chamada. Mas, acrescentou, apontando para um écran preso ao tablier, que só o motorista a quem fosse entregue o serviço teria a morada de partida lá escrita - e saberia o nome dado no telefonema.

Em nenhuma das viagens que fiz achei que me tivesse sido prestado um mau serviço.

Quanto à UBER e companhia, nunca utilizei. Ao que parece, é necessário um Smartphone e eu não tenho tal coisa. 

20:30h, sábado...

08.10.16 | Bruxa Mimi
... e os três na cama.

Nas vésperas de dias úteis raramente conseguimos este prodígio (costumam estar deitados mais perto das 21 horas)! 

Eu sei como conseguimos, hoje, e nem sequer foi premeditado.

Graças ao feijão, que me tem feito querer comer mais cedo (ao longo do dia e especialmente no que diz respeito à hora habitual do nosso jantar, 19:30h), comecei a servir as sopas antes das 19:15h. A diferença não é muita, mas foi suficiente para este agradável desfecho silencioso do dia.