Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (13, 11, 10 e 2 anos).

E pensas ter mais filhos?

25.03.17 | Bruxa Mimi
Já me têm perguntado.

E eu respondo:

- Os que Deus quiser.

Algumas pessoas não dizem mais nada. Outras dizem:

- Mas sabes que quanto mais velha és, maiores são as probabilidades de teres um filho com problemas?

Eu: Sei que as estatísticas dizem isso, mas a estatística que conta é a real [obrigada, Teresa Power, pelas tuas palavras há alguns meses]; se houver problemas, a estatística será 100%, total, muito maior do que a estatística apresentada e divulgada. Se não houver problemas, que relevância tem a estatística? 

- Fizeste amniocentese?

Eu: Não.

- Ah...

E, aos meus ouvidos, aquele "Ah..." soa como um rótulo "És maluca, inconsciente, e outras coisas do género...".

Mas que interesse tinha para mim fazer um exame invasivo, que acarreta riscos, se o resultado desse exame não me iria levar a tomar nenhuma decisão*? Saber antes de uma eventual situação complicada iria ajudar? Ajudar a quê? A passar uma gravidez angustiada? Alguém beneficiaria com isso? Não me parece. 

Diz-se muitas vezes: "O que importa é que venha com saúde." É uma frase bonita, e quando se diz (eu também a digo, às vezes), normalmente quer-se dizer que não importa se é menino ou menina, se a casa é grande ou pequena, no fundo, "que tudo se cria" (outra frase muito utilizada).

Mas, pensando nisto, acho que melhor do que dizer "O que importa é que venha com saúde", é dizer: "O que importa é que seja recebido com amor". Sem dúvida.

*Muitos casais decidem interromper a gravidez em consequência dos resultados da amniocentese. Nós não pomos essa hipótese em cima da mesa.

Já toda a gente sabe...

25.03.17 | Bruxa Mimi
... quer dizer, toda a gente que por aqui passa com alguma regularidade e já há algum tempo...

... que o Feitiço não acorda seco e que, no ano passado, quando recomeçou o frio e ele começou a ficar constipado por causa da cama molhada, voltou a dormir com fralda.

Não é situação que me agrade, mas também já há bastante tempo que decidi que não me deixarei atormentar por ela. É o que é, e não há de durar para sempre.

No entanto,

... que durante o dia, acordadíssimo, o Feitiço faça xixi nas cuecas (o que nos últimos dias tem acontecido com uma frequência terrível), não é uma situação que eu encare de ânimo leve.

80% dos caros leitores devem ter associado esta alteração no comportamento à vinda da irmã. Eu também pensei nisso, confesso. A nível inconsciente, sabe-se lá o que vai no cérebro do Feitiço...

Mas, conscientemente, não há de ser assim tão difícil ir à casa de banho durante os intervalos das aulas! Acho que este problema se deve sobretudo a imaturidade (tanto no xixi durante a noite, como neste "descarado" durante o dia). E a maturidade não se impõe, há de chegar a seu tempo... 

3%

25.03.17 | Bruxa Mimi
Disse-me ontem a minha médica obstetra que 97% dos bebés dão a volta e colocam-se de cabeça para baixo até às 32 semanas - e depois já não mudam de posição.

A bebé (cujo nome blogosférico está mais ou menos nas vossas mãos) encontra-se nos 3%. Sua  excelência está sentada, possivelmente a tocar guitarra nas pernas que se encontram à frente da cara...

Às 36 semanas, na próxima consulta, se a bebé ainda estiver sentada, a médica logo combina um procedimento no hospital para, por fora, levar a bebé a dar a volta.

Claro que eu prefiro que seja a bebé a tomar a iniciativa de se virar! Já lhe pedi e tudo! 🙂

No domingo...

21.03.17 | Bruxa Mimi
... fomos almoçar ao Terra, com os Avós e Tio Gatos. Almoço excelente, como sempre. Desvantagem de o restaurante estar muito cheio: a fila para o buffet demorava um bocadinho mais do que gostaria (mas nada do outro mundo!).

A seguir ao almoço, fomos ao Jardim do Príncipe Real, para as crianças brincarem no parque infantil. Não ficámos muito tempo, mas elas aproveitaram-no bem.


Novamente em casa, o Feitiço pediu-me para pintar com aguarelas (as irmãs pintaram na véspera e era suposto ele ter pintado de manhã, enquanto elas estavam na Catequese, mas por culpa minha não pintou). Lá preparámos tudo. A pintura, que foi antecedida por desenho com lápis de cor preto, ficou assim:


(Desculpem a má qualidade da fotografia...)

Desafio "a la Feitiço"

19.03.17 | Bruxa Mimi
Há pouco resolvi ir aos rascunhos ver se havia algum texto que desse para terminar e publicar. De um total de sete, um texto surpreendeu-me que estivesse nos rascunhos, porque parecia completamente pronto. Publiquei-o e só depois reparei que até já tinha dois comentários, feitos no dia 6/9/2016, pelo que concluí que estava nos rascunhos acidentalmente.

Dos restantes seis, escolhi um para publicar, fazendo-lhe alterações. É que era supostamente um desafio, com direito a prémio e tudo, mas o problema é que nem eu sei qual é a resposta! Assim, o que era um desafio/concurso passa a ser apenas mais um exemplo da linguagem original do Feitiço.

Por ocasião da primeira vitória do Feitiço (e desde essa, em todas as outras), ele pôde escolher o que aos meus ouvidos (e aos da minha mãe) pareceu "Tazan com manteia".

Alguém tem ideias?

(Não se esqueçam que eu também não sei* a resposta, pelo que estejam à vontade com os vossos palpites!)

*(mas desconfio...)

P.S. - Devia ter reparado na data do rascunho. Agora já só aparece a data de hoje, pelo que não sei exatamente quando se passou. Por outro lado, o link dá uma boa pista!

Ovo de "cara lavada"

18.03.17 | Bruxa Mimi
Antes de nascer a Vassoura, comprámos um conjunto carrinho/ovo/alcofa. Por altura do nascimento da Varinha, comprámos um carrinho duplo, com dois lugares "normais", um à frente do outro, mas com possibilidade de colocar um ovo (que fazia parte) no lugar mais próximo de quem empurra o carrinho. Este carrinho duplo foi muito útil, tanto na fase Vassoura+Varinha, como na fase Varinha+Feitiço. Ainda temos tudo (a Matilde ficou admirada com este facto, há uns dias, não percebo porquê - nós nunca excluímos a possibilidade de termos mais filhos).

Bem, indo de encontro ao título do post, é ao primeiro ovo que me refiro. Mandei fazer, na "Maria Café", um forro em algodão (ao contrário do material original, que é sintético, o que me levou sempre a colocar uma fralda de pano por baixo da ou do bebé), com cobertura tipo edredão (amovível) para os dias ou momentos do dia mais frios e uma capota. A renovação inclui as três almofadinhas do cinto de segurança (duas dos ombros e uma entre as pernas, junto ao fecho).

O que a renovação não inclui, obviamente, porque é uma renovação de superfície, é um novo cinto de segurança. Olhando para o cinto, que em vez de azul-acinzentado estava castanho, tornou-se óbvio que precisava de ser lavado*. "Máquina de lavar com ele!", pensei eu. "Se calhar vou ter de o lavar mais do que uma vez, para ficar realmente com bom aspeto."

Ontem comecei a tirar o cinto do ovo, e a coisa ia bem... até chegar à última parte, que simplesmente não sai. De certa maneira, apesar do contratempo, até gostei de saber que não sai, por questões de segurança.

O Rogério, a brincar (foi a brincar, não foi?), sugeriu que aproximasse o ovo da máquina de lavar, pusesse o cinto lá dentro, tanto quanto possível, e fechasse a porta da máquina. É claro que, estando ele a brincar ou não, eu não faria isso. Pobre cinto, pobre ovo e pobre máquina de lavar roupa!

Então que fiz? Sem esperar grandes resultados, levei o ovo para a marquise, coloquei-o em cima da bancada, ao lado do lavatório, peguei numa escova de dentes (velha, claro!) e em detergente da loiça e esfreguei o cinto. Resultado: o castanho desapareceu, o azul-acinzentado voltou e já não mete nojo pensar em colocar uma bebé num ovo com aquele cinto! Até o tecido do novo forro beneficiará visualmente da higiene do cinto.


👍

*Também o tal tecido sintético, as almofadinhas, etc., seriam lavados, mas nenhum "gritava" "Lavem-me!".