Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (14, 13, 11 e 4 anos).

03.05.17

Mês de Maria - Dia 3


Bruxa Mimi

"REZAI MUITO E FAZEI SACRIFÍCIOS"

 

A branca Senhora mais brilhante que o sol, quando apareceu em Fátima, mostrou o inferno aos Pastorinhos. Era um mar de fogo, onde estavam mergulhados os demónios e as almas como se fossem brasas transparentes, soltando gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizavam e faziam estremecer de pavor. 

E Nossa Senhora, com o rosto magoado de tristeza, disse: 

- Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno por não haver quem se sacrifique e peça por elas. 

A Jacinta, muito impressionada com esta pavorosa visão e com as impressionantes palavras da Virgem Santíssima, exclamava com amargura: 

- O inferno! O inferno! Que pena eu tenho das almas que vão para o inferno! E as pessoas lá vivas a arder como lenha no fogo! É preciso rezar muito para livrar as almas do inferno. Vão para lá tantas! 

E, meia trémula, ajoelhava, de mãos postas, a rezar a oração ensinada pela celeste Aparição: - Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu, principalmente as que mais precisarem. 

E permanecia assim por grandes espaços de tempo, de joelhos, repetindo a mesma oração. 

Se rezarmos e fizermos sacrifícios, os pecadores convertem-se. Foi o que prometeu Nossa Senhora e o que mostra este caso contado por Lúcia. 

«Havia no nosso lugar, uma mulher que nos insultava sempre que nos encontrava. Encontrámo-la um dia quando saía da taberna, e a pobre, como não estava em si, não se contentou desta vez só com insultar-nos. Quando acabou o seu trabalho (de bater), a Jacinta diz-me: - Temos que pedir a Nosso Senhor e oferecer-Lhe sacrifícios pela conversão desta mulher». 

Os Pastorinhos rezam e sacrificam-se e pouco depois a pobre pecadora converteu-se inteiramente. «Não só não nos insultava, mas pedia-nos continuamente para pedirmos por ela a Nossa Senhora que lhe perdoasse os seus pecados». 

Não queres também durante este mês de maio alcançar com tuas orações e sacrifícios a conversão de algum pecador?

02.05.17

Amanhã


Bruxa Mimi

... vou ao hospital fazer o CTG da praxe. Depois a minha médica há de ver-me.

 

Espero que se confirme que a Magia não desfez o pino, isto é, espero que ela continue de cabeça para baixo, e de preferência que esteja mais para baixo. Eu tenho andado, como a médica me mandou (pronto, não tem sido todos os dias, mas quase)!

02.05.17

Ave agoirenta


Bruxa Mimi

Já por várias vezes me queixei aqui de estar com azia. Não gosto mesmo nada da experiência!

 

Ontem falei com a Matilde pelo Skype, umas três horas depois de ter jantado. Coloquei a mão à frente da boca algumas vezes, o que, penso eu, levou a Matilde a perguntar-me:

 

- Estás com azia?

Eu: Não, já não tenho há uns dias.

Matilde: Então estás a arrotar?

Eu: Sim, apesar de ter terminado de jantar há três horas.

 

A conversa continuou por outros caminhos.

 

Esta manhã acordei com... azia. Pois. 

Matilde, a ave de mau agoiro.

02.05.17

Mês de Maria - Dia 2


Bruxa Mimi

"CAUTELA AO SÁBADO!"

 

No dia 14 de agosto de 1863 foi um rapaz confessar-se ao Santuário de Nossa Senhora de Vals, em França. Depois de ter dito as ligeiras faltas cometidas desde a última confissão, acrescentou também os grandes pecados da vida passada, declarando: 

- Senhor Padre, converti-me há três meses e nunca mais tornei a cair nestes pecados, mas quis confessá-los de novo para Nosso Senhor mos tornar a perdoar.

- Como é que tu foste capaz de te corrigir? - perguntou-lhe o sacerdote. 

- Num dia do mês de maio senti grande pesar da minha vida desgraçada e fui-me confessar. Daí para diante nunca mais tornei a ofender gravemente a Deus. 

- Como é que mudaste de vida? Tinhas devoção a Nossa Senhora? 

- Tive em tempos, mas desde que me meti naquela triste vida, nunca mais rezei nada. Só tinha muito cuidado de não cometer nenhum pecado ao sábado por ser dia consagrado à Virgem Santíssima. Fiz esta promessa em pequeno e guardei-a até hoje. 

- Foi essa delicadeza para com a Mãe de Deus que te obteve a conversão - declarou o sacerdote. 

Começou o mês de maio. Por ser o mês de Maria, hás de fazer um grande esforço por passá-lo sem cometer nenhum pecado que desgoste a Virgem Imaculada e o seu Divino Filho Jesus.

Pensa bem no defeito que te propões corrigir, na falta ou pecado que vais evitar. Pede à Senhora, Medianeira de todas as graças, te alcance força e graça para cumprir até ao fim do mês tão santa resolução, que será para ti fonte de abundantes bençãos celestes. 

Nossa Senhora, com o rosto muito triste, disse na última aparição de Fátima: 

- Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor que já está muito ofendido. 

Isto mesmo te pede a ti. Procura, com a ajuda da graça, passar todo o mês de maio sem cometer nenhum pecado que ofenda Jesus, ou o Coração Imaculado da tua Mãe do Céu.

 

 

*[Confesso que isto não me parece muito correto, pois pecado perdoado por Deus é pecado que Ele esqueceu, segundo aprendi!]

01.05.17

De maio não passa!


Bruxa Mimi

Chegados a maio, chegámos ao mês de Maria, tal como chegámos ao mês da Magia, aqui no blogue. Até ontem, a Magia poderia querer nascer em abril - a partir de hoje, não tem outra hipótese senão nascer em maio.

 

Os partos dos três irmãos foram induzidos num dia em que a minha médica estava de serviço. O parto da Magia também já tem data para ser induzido, se a rapariga não for mais decidida do que os irmãos e não quiser nascer antes desse dia. Desculpem, mas não vou partilhar convosco (pelo menos, não agora) a data prevista para a indução. Mas quando a Magia nascer, não demorarei muito (espero) a contar a novidade.

 

Uma nota a concluir este pequeno post: não ando a dormir nada bem. Sinto-me quase sempre cansada e até tenho "medo" do pós-parto, que é sempre cansativo, quando já levo um avanço tão grande em termos de cansaço.

 

 

01.05.17

Mês de Maria - Dia 1


Bruxa Mimi

"O HOMEM QUE SE MATOU"

 

Uma senhora francesa sentia-se muito preocupada. O seu marido, que tinha levado vida pecaminosa, acabou de uma maneira tristíssima. Num acto de desespero, atirou-se de uma ponte abaixo e morreu afogado no rio. 

A pobre viúva pensava: - O meu marido está certamente no inferno, pois morreu no pecado e sem receber os sacramentos. 

Dirigiu-se à freguesia de Ars, no Sul de França, onde vivia um sacerdote santo que consolava todos os infelizes. 

Como a igreja paroquial estava cheia, a senhora e muitos peregrinos ficaram fora, no adro. O santo Pároco, chamado Padre João Baptista Vianey, passa. De repente os seus olhos fixam-se na senhora vestida de luto, que cai de joelhos, como todos os outros. O Santo recolhe-se uns momentos, parecendo escutar a voz de Deus. Depois inclina-se para a aflita peregrina e diz-lhe em voz baixa: - Salvou-se! 

A viúva, sobressaltada, parece não acreditar. O Santo repete: Salvou-se! 

Com um gesto de incredulidade a senhora pergunta: - Mas quem? 

O Santo, repisando bem bem cada uma das palavras, insiste: - Afirmo-lhe que o seu marido salvou-se: Está no Purgatório e é preciso rezar por ele. 

- Mas como, Senhor Padre? 

- Entre o parapeito da ponte e a água do rio, em que se afogou, fez um Acto de Contrição. Não se lembra do mês de Maria feito em sua casa? Não é verdade que o seu marido trazia todos os dias dos campos um ramo de flores para a senhora colocar no altar da Mãe de Deus? Foi este obséquio que lhe alcançou de Deus a graça do arrependimento, no último instante.

 

Este homem por trazer todos os dias do mês de maio um ramo de flores para o altar de Nossa Senhora obteve a salvação. Também nós esperamos receber essa graça, que é a maior de todas, se cada dia deste abençoado mês colocarmos no altar da Mãe de Deus as três flores que Ela mais aprecia: 1.º - o terço; 2.º - ao menos um sacrifício ou acto de vencimento próprio; 3.º - a participação na devoção do Mês de Maria na igreja ou em casa. Pensa bem nestas três resoluções e procura cumpri-las fielmente.

Pág. 6/6