Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (12, 11, 9 e 2 anos).

Comentários não assinados, afinal! *

30.09.17 | Bruxa Mimi

Reparei que no blogue Não me deem ouvidos havia um comentário (com a data de ontem) só com um boneco e fiquei surpreendida, claro! Supostamente já não era possível...

Graças a essa descoberta, acabei por descobrir uma solução para comentar apenas com um boneco, sem ter de assinar. e que aqui partilho: além do boneco, carreguem na barra de espaços. Tão simples! 

 

* Não ter de assinar não significa que nunca assine um comentário - mas quando me apetece assinar é precisamente quando escrevo alguma coisa, não é quando só quero pôr um boneco.

Comentários assinados

30.09.17 | Bruxa Mimi

Às vezes apetece-me comentar apenas com um boneco, tanto nos vossos blogues como em resposta a comentários deixados neste blogue.

 

Como já não é possível comentar dessa forma, sempre que o quiser fazer, vou contornar a questão da forma mais simples que me ocorreu: coloco o boneco e a seguir assino: Mimi.

 

Mais uma Faulou Fraidei perdida!

29.09.17 | Bruxa Mimi

Tenho andado pouco por aqui. Há bocado, no blogue da CS, vi que hoje era dia de Follow Friday. Eu já decidi há tempos qual será o primeiro blogue que vou destacar num post numa Follow Friday, mas ainda não será desta, pois quero escrever um texto que lhe faça justiça (depois, se não fizer, podem vir reclamar)...

Abaixo as vacinas!

20.09.17 | Bruxa Mimi

Pronto. Tenho dito. Finalmente assumo a minha verdadeira cor em relação às vacinas. Sou contra.

 

Sou contra porque a Magia foi ontem às vacinas (na semana passada não as levou devido à greve dos enfermeiros, lembram-se de vos ter dito?) e fez febre, e esteve murchinha e chorosa, ela que é tão bem-disposta.

 

E vou continuar a ser contra as vacinas quando a levar a fazer uma vacina (fora do PNV) aos 5 meses, e quando a levar às vacinas dos 6 meses, e por aí fora.

 

Completamente contra.

Comer [bolo] ou não comer, eis a questão!

14.09.17 | Bruxa Mimi

[Vou contar este episódio familiar sem ter certeza de quando se passou. É possível, mas não garantido, que se tenha passado na altura referida.]

 

À mesa, no fim do almoço de anos do Gato Rogério. Já estávamos no pós-sobremesa, mas antes de cantar os parabéns.

 

Feitiço: Já não tenho fome. Posso sair da mesa?

 

Nós (adultos presentes): Não. Vamos cantar os parabéns.

 

Cantámos os parabéns.

 

Feitiço: Agora já posso sair da mesa? Não quero bolo.

 

Nós: Não. Ninguém te obriga a comer bolo, mas ficas na mesa até todos termos acabado.

 

Feitiço: Se tenho de ficar, quero comer bolo. Não quero ficar sem fazer nada!

 

Eu: É mesmo uma resposta à Feitiço...

As torradas da minha infância

13.09.17 | Bruxa Mimi

Quando penso nas torradas da minha infância/adolescência (o que acontece sempre que faço torradas cá em casa), não é só o sabor que me vem à memória. Com ele vêm:

  • o cheiro que enchia e aquecia toda a casa
  • o ruído característico de quem*, com uma faca, raspava as pontas carbonizadas das torradas
  • a voz de quem** dizia: "Está alguma coisa a queimar!"
  • a visão da manteiga a derreter assim que tocava na superfície da torrada
  • os pedidos repetidos de mais torradas
  • o bolo que não falhava as tardes de domingo
  • o chá que acompanhava o bolo e as torradas, servido muito quente em chávenas bonitas
  • os meus avós paternos que nos visitavam nessa altura (e sem a visita dos quais se calhar não haveria chá nem bolo...)
  • a série das 19 horas (MacGyver, O Justiceiro, ...)

 

Por tudo isto, comer uma torrada nunca é comer uma torrada (até porque eu sou incapaz de comer só uma torrada, havendo mais do que uma à disposição)...

 

*a minha incansável mãe  **o meu inigualável pai

 

Resultado de imagem para torradas com manteiga

(imagem da net)

Bodas de prata

12.09.17 | Bruxa Mimi

Há 25 anos casaram os que viriam a ser pais de uma das minhas afilhadas (a 2.ª) e padrinhos de uma das minhas filhas (a 4.ª criança, 3.ª filha). 

 

Há 25 anos estive lá. Hoje não foi possível estar presente fisicamente, mas espiritualmente não faltei! 

 

Daqui a 25 anos espero poder estar presente na celebração, mas espero, sobretudo, estar presente ao longo dos anos, e que a presença seja recíproca!

 

Parabéns!

Pág. 1/2