Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (12, 11, 9 e 2 anos).

Ex-alunas precisam-se! ;-)

19.02.19 | Bruxa Mimi

Ontem, o Tio Gato contou que uma funcionária lá do trabalho lhe perguntou se era o marido da "Professora Mimi". Ele respondeu que era cunhado (há muita gente que confunde os dois irmãos, não fiquei surpreendida). Ela disse como se chamava e mandou cumprimentos.

 

Pelo nome, aliado à breve descrição, imediatamente identifiquei a pessoa, a escola que frequentou e os anos em que partilhámos a sala de aula das nove às quinze e trinta. Deu-me trabalho, a malandra, enquanto foi minha aluna (do 2.º ao 4.º ano de escolaridade), mas, desde que nos "reencontrámos" no Facebook (e é por esta e por outras que não deixo o FB de vez), é uma das minhas antigas alunas que mais próxima se tem mantido. Ok, sem nos termos realmente encontrado fisicamente... mas, ainda assim, tem estado mais próxima do que a maioria d@s colegas!

 

Pois bem, eu tinha o número de telemóvel dela já há uns anos, tendo em tempos trocado umas mensagens com ela. Resolvi escrever-lhe, esta manhã. Não deixei de incluir, na minha mensagem, que a turma dela foi a minha preferida [verdade, verdadinha!] e que gostava de os rever a todos. À tarde, recebi a resposta:

 

Boa tarde, minha querida professora, e predileta. É verdade, trabalho numa universidade onde vejo constantemente o seu cunhado, que pensei que fosse o seu esposo. Irei tentar fazer um grupo no Whatsapp com todos, para combinarmos nos vermos. Espero que esteja tudo bem, beijinhos e abraços... 

 

E esta mensagem soube-me tão, mas tão bem... Obrigada, minha querida!

36!

18.02.19 | Bruxa Mimi

Este é o título que muita gente, na qual me incluo, gostaria de ler hoje, mas não aqui.

 

Era a Joana que "deveria" (nisto dos blogues não há obrigações) escrever esse post, a contar como tem passado mais uma semana de gravidez (neste caso teriam de ser duas, já que não publicou nenhum "35!")... Mas a Joana está sem vontade de escrever e nós temos que nos aguentar até que a vontade regresse (mais cedo do que tarde, esperamos nós)!

 

Quem também, aparentemente, se está a aguentar, e bem, é a Mariana. Estive a reler o post dos palpites e já há muita gente fora do concurso. O próximo a ficar de fora, espero, é o Pedro, que diz que a Mariana nasce hoje, ao meio-dia. 

 

Se por acaso a Mariana decidir nascer hoje (revelando-se uma autêntica "menina do papá" ), o Paiol não chega a sair de casa... o que até parece mal! Por isso, Mariana (eu sei que tu lês o que eu escrevo), para não parecer mal, aguenta mais duas semanas, mais concretamente até dia 4 de março, às 15:30h (não mais do que isso), OK?

Feitiço, o descarado

09.02.19 | Bruxa Mimi

Há bocadinho fui ao quarto do Feitiço entalar-lhe os lençóis, dar-lhe a benção e despedir-me com o beijinho da praxe. Quando já estava a chegar à porta do quarto, para sair, percebi que o Feitiço disse qualquer coisa, mas não percebi o que foi e perguntei:

 

- O quê?

 

E o Feitiço repetiu:

 

- Pum de despedida!

 

Eu não dei conta do pum que ele deu, nem pelo som, nem pelo cheiro, mas fui devidamente informada do sucedido ventoso...

pum.jpg

 

Vassoura e Feitiço, professora e aluno...

07.02.19 | Bruxa Mimi

A Vassoura, durante o jantar, esteve a falar do que andou a aprender na escola em Geografia e em Ciências Naturais. O Feitiço estava a adorar as "aulas". Uma das aulas ficou a meio, mas o Feitiço pediu à Vassoura que continuasse, pois estava a gostar de saber coisas sobre as "vacas tónicas"*.

 

 

 

 

* placas tectónicas

 

(Este post é curtinho, como se vê, mas podia ser longo e eu estar a escrevê-lo à mesma... Eu  não lido lá muito bem com prazos e cargas excessivas de trabalho. Às vezes, em vez  de me dedicar a aliviar a carga, empato até ser impossível não me dedicar, já sob um stress dez vezes maior... Não sou um bom exemplo neste campo. )

Sonhos #69 - A desilusão ao acordar

04.02.19 | Bruxa Mimi

Quem já leu alguns dos posts sobre sonhos, neste blogue, talvez se lembre que o título de cada post é sempre "Sonhos #[número]". Este sonho, que sonhei na noite passada, merece um subtítulo, com o qual concordarão, de certeza, todos os que são fiéis leitores da Saposfera. Já vão ver porquê... 

 

Eu estava na minha casa [a do sonho, que não tinha nada a ver com a minha casa real]. Aparece-me o vizinho do lado a chamar-me para lá ir. Eu vou, e, enquanto vou, apercebo-me que o vizinho é o famoso Dr. Pedro Rebelo. Entramos na casa dele pela porta que dá para a cozinha, onde há uma grande mesa de madeira, onde, virada para mim, está sentada a mulher do Pedro (é meu vizinho, posso tratá-lo assim, não posso?). 

 

Quando me dou conta que a pessoa ali sentada é a "Joana do Quiosque", antes de olhar mesmo a sério para ela [apesar de ela ser minha vizinha, é a primeira vez que a vou ver!], desvio a cara e pergunto: "Joana, posso olhar para ti?"

 

A Joana ri-se e diz que sim. Eu olho, meio histérica, mesmo não estando a gritar, e digo: "Não acredito que finalmente estou a conhecer a Joana do Quiosque!  Há tanto tempo que te queria conhecer. E afinal somos vizinhos... Eu sabia que a minha casa era num dos limites de Carcavelos, mas não sabia que era mesmo ao pé da parte de Oeiras em que vocês moravam! Tão perto..."

 

O Pedro e a Joana perguntam-me se quero comer do que eles estavam a comer (acho que era hora de almoço) e eu aceito, mas, assim que sou servida, eu e a Joana saímos de casa e vamos dar uma volta pela zona. Subimos a rua e estamos num largo que me fez lembrar a zona ao pé da escola primária que frequentei. Eu pergunto à Joana se aquela [uma casa com identificação de escola] é a escola onde a Alice anda e a Joana confirma.

 

Voltamos para casa, mas a mesa de madeira, onde estava a minha comida, agora é uma mesa de um restaurante e há um empregado que pergunta: "De quem é esta comida?". Eu respondo que é minha, mas quando me vou sentar para a comer, há um barulho de despertador que me arranca do sonho. 

 

Assim que me apercebi que não tinha conhecido a Joana e que tudo não passara de um sonho, fiquei tão, mas tão desiludida...

 

Respondam honestamente: não ficariam também???

 

Refletindo no sonho, posteriormente, reparei que não houve qualquer referência ao Vasco ou à Gabi no sonho, o que estranhei, mas atribuí à minha falta de à-vontade com cães (não tenho propriamente medo de cães, mas não estou habituada e não gosto de ser surpreendida por "ataques", por mais amigáveis que possam ser). Embora não tenha "visto" a Alice, não estranhei, pois estava no infantário. Ah, um outro pormenor era que o Pedro tinha um look assim meio indiano! Mas só me pareceu isso na segunda parte do sonho, na primeira não me pareceu que tivesse. Sonhos... neles vale tudo!