Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (14, 12, 11 e 3 anos).

12.05.17

Mês de Maria - Dia 12


Bruxa Mimi

"CEGUINHA"

 

Nos últimos meses do ano de 1947 a imagem de Nossa Senhora de Fátima da Capelinha das Aparições andou em peregrinação pelo sul do Tejo. O Padre Frei Fidélis Barbosa conta:

«Foi em Martinlongo, freguesia de Alcoutim, na diocese do Algarve... Chega a suspirada imagem. No mesmo dia uma jovem cega, Maria Manuela de Brito Vargas, educada no Instituto dos Cegos do Porto, preparada pelo missionário, vai ao microfone e lê pelo método dos cegos uma oração que termina assim:

«E eu, em particular, Senhora, eu que também venero a tua imagem, eu que contudo não a vejo, porque os meus olhos estão apagados, quero implorar-te nesta súplica cheia de fé, com todo o meu coração: - Senhora, faz que eu veja! Tu que me compreendes e sabes o meu desgosto, a minha dor, protege-me, salva-me desta escuridão, dá luz a estes meus olhos... Mas se não me achares digna dessa suprema graça, Senhora, aumenta a minha fé e alumia a minha alma para que ela possa, um dia, ver-te e amar-te no Céu.»

Palavras não eram ditas, eis que se deu o milagre. A miraculada, após agradecer à Virgem, vai beijar as mãos do Senhor Bispo Dom Marcelino Maria Franco. Este não se contém e cai de joelhos... Ajoelham os sacerdotes... A multidão chora.»

Nossa Senhora, como Mãe de Deus, pode conceder-nos todas as graças. Como esta menina e, à imitação dos cegos do Evangelho (Lc 18, 41), diz-lhe:

- Senhora, fazei que eu veja! Que veja com os olhos do corpo! Mas, sobretudo, que eu veja com os olhos da alma! Dai-me luz para ver o caminho que me conduz ao Céu. Luz para ver o bem e segui-lo! Luz para ver o mal e evitá-lo!

Maria é a «estrela da manhã» para nos alumiar, é a «Senhora da estrada» para nos conduzir ao Céu.

Antes de qualquer ação pede a Nossa Senhora que te guie e te ampare.

A 8 de dezembro de 1939, dizia de si próprio, o Papa Pio XII:

«Recorremos sempre a esta dulcíssima mãe nos perigos e angústias em que tantas vezes nos encontrámos. Colocando nela toda a nossa esperança, jamais fomos abandonados, mas sempre alcancámos luz, auxílio e consolação».