Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (13, 12, 10 e 3 anos).

Post sobre xixi na cama

- sim, sobre xixi! Quem é que resiste a um tema destes? Ninguém!

01.08.20 | Bruxa Mimi

A Magia tem tido bastante sucesso na "Missão Sequinha 2020". 

O facto de a Magia estar a ter sucesso tem-me dado alegria, claro, pela realidade atual, mas também me tem servido para olhar com benevolência para o passado molhado da Vassoura, da Varinha e do Feitiço. 

Benevolência para com os meus descendentes, mas também - e sobretudo - benevolência para com a Mimi-mamã dessa altura.

Mães (e também pais, vá, embora o peso esteja quase sempre sobre os ombros das mães) que lidam com crianças que nunca mais* largam as fraldas: tenham calma, relaxem, vocês estão a fazer tudo bem, deem tempo ao tempo e às vossas crianças, respirem fundo, não se zanguem, é mesmo só uma questão de tempo! Ah, e não comparem as vossas crianças com os primos, os filhos dos amigos ou os colegas. Ninguém ganha nada com isso.

Cada criança tem o seu ritmo para cada aquisição que - mais cedo ou mais tarde - vai fazer. 

Ver a Magia a acordar seca (da sesta e após a noite) aos 3 anos quando:

- bebe água antes de ir para a cama;

- come uma quantidade normal de sopa ao almoço e ao jantar;

e os irmãos acordavam molhados de manhã, aos 5 anos - ou aos 6 -, apesar de:

- comerem menos sopa ou nenhuma sopa ao jantar;

- nunca beberem água antes de irem para a cama;

- serem postos a fazer xixi, à noite, antes de nós, pais, irmos para a cama...

 

... torna evidente que, por mais medidas que tomássemos, na altura dos primeiros três, eles não tinham a maturidade física necessária para conseguirem controlar a bexiga enquanto dormiam.** Ao adormecerem, a comunicação cérebro-bexiga desligava e a bexiga ficava por conta própria (do tipo: "patrão fora, dia santo na loja") e lá se ia o xixi. A comunicação de tal forma desligava que eles nem acordavam quando ficavam molhados. Às vezes, devido ao calor, de manhã já estavam secos, e achavam, inocentemente, que tinham passado a noite sem fazer xixi, mas o [meu] olfato garantia o contrário.

A verdade é que não houve soluções milagrosas. Houve incentivos, sim, mas esses funcionaram como meros adornos. A chave para esta questão está mesmo no tempo. E na paciência. E na máquina de lavar roupa. E, já agora, numa pequena dica (não para resolver, mas para simplificar o dia-a-dia): colocar o resguardo do colchão ao contrário, com a parte plástica para cima, permite que nem sempre tenhamos de o lavar após uma noite não-seca - passa-se uma toalhita e deixa-se secar. Caso contrário, não há resguardos suficientes, em especial quando o tempo não está assim tão quente!

 

*"Nunca mais" é uma expressão vaga, intencionalmente, porque varia de mãe para mãe e de pai para pai. Se calhar para algumas mães o processo atual da Magia já vinha tarde... Eu compreendo que assim seja, pois tudo é relativo... Casos como os dos meus filhos não são anormais, mas também estão longe de serem a maioria. E é isso que nos atormenta. Por isso repito: não comparem as vossas crianças com as outras. Não vale a pena.

**No caso do Feitiço, mesmo acordado, a coisa foi mais complicada, e aí havia também a componente da maturidade psicológica (ou simplesmente feitio? Confesso que não tenho certeza de qual dos dois teve mais peso.)...

 

O post já vai longo, mas não quero deixar de dizer a todos os parents que têm descendentes que aos dois anos já nem sabiam o que eram fraldas: Boa! Parabéns! Mas não se gabem muito - foi mais sorte que arte...