Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alheia a tudo... ou talvez não!

Blogue da Bruxa Mimi. Marido: Gato Rogério. Filhos: "Vassoura", "Varinha", "Feitiço" e "Magia" (14, 12, 11 e 3 anos).

19.10.17

Sonhos #67


Bruxa Mimi

Por vezes, ao recordar um sonho e não podendo logo registá-lo por aqui, escrevo as ideias principais numa "folha de notas", no telemóvel. Acontece que, se deixar passar muito tempo, as ideias principais de um sonho passam a ser as únicas ideias acerca desse sonho. 

 

Atualmente tenho vários sonhos registados no telemóvel (alguns há anos). Não os apago porque hei de partilhá-los, nem que seja copiando as ideias principais que lá estão.

 

No entanto, o sonho que hoje vou contar não está no telemóvel. Está apenas na minha cabeça e quero registá-lo antes que se vá!

 

Este sonho foi sonhado na manhã do dia 6 de outubro deste ano, sexta-feira a seguir ao feriado do 5 de outubro, algures entre as oito e as oito e meia, e teve uma particularidade que o torna especial: o sonho passava-se exatamente nessa manhã, a essa hora.

 

O Rogério tinha saído para levar a Vassoura, a Varinha e o Feitiço à escola. Alguns minutos depois, tocam à campainha. Vou abrir e são as três crianças. Pergunto-lhes por que razão regressaram a casa. Dizem-me que, ao chegarem à escola, a encontraram fechada - a direção e os professores tinham decidido fazer ponte, sem avisarem os pais dos alunos. Eu digo: "Realmente, isso não se faz! Eu estou em casa com a Magia e posso ficar convosco, mas e se eu estivesse a trabalhar?" e depois pergunto: "E o papá, onde está?". Respondem-me que os deixou à porta de casa e foi trabalhar.

 

Acordo, sem campainha nem crianças de regresso, apercebo-me do sonho e acho piada que se tenha passado na hora em que o sonhei. Conto o sonho ao Rogério, que entretanto passou por casa para deixar o carro, porque vai para o trabalho de transportes públicos. Sempre que conto um sonho - e quantas mais vezes o fizer -, melhor me lembro dele para depois o registar.